top of page
  • Oscar Valente Cardoso

Passaporte da Vacina e Proteção de Dados Pessoais - Parte 1

A regulação do retorno ao trabalho presencial e da frequência a determinados locais, com a exigência eventual de comprovante de vacinação, não é apenas uma matéria de saúde pública, mas envolve outros aspectos, como a proteção de dados pessoais.


Em decorrência da pandemia causada pelo COVID-19 e o estado de emergência da saúde, a maior parte dos países adotou medidas de isolamento social. Atualmente, passa-se por uma fase de vacinação, o que envolve situações relacionadas com a proteção de dados pessoais sobre a identificação das pessoas vacinadas.


Os dados pessoais da saúde são sempre dados pessoais sensíveis, independentemente da finalidade e do contexto do tratamento.


Por isso, há uma proteção maior a esses dados, o que compreende o consentimento como a base legal preferencial para a realização da coleta e do tratamento dos dados da saúde.


Essas características devem ser levadas em conta na regulação do passaporte da vacina, especialmente as normas estaduais e municiais, para não violar a lei federal que define o tratamento e protege os dados pessoais (Lei nº 13.709/2018 - LGPD).


Apesar de dado pessoal sensível não ser sinônimo de uso discriminatório dos dados, um dos critérios utilizados na sua definição e na proteção diferenciada dessa espécie de dados é a de evitar a discriminação negativa do titular em virtude de seus dados pessoais.


Por isso, também deve ser observado que o acesso a dados pessoais da saúde ligados à vacinação - ou não - das pessoas não pode ser utilizado com fins discriminatórios, para prejudicá-las ou limitar os seus direitos (como ocorre, por exemplo, na rescisão do contrato de trabalho em virtude da não vacinação).




446 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page